top of page
  • Foto do escritorSTIMMMEI

Sindicalistas vão às ruas em defesa dos aposentados e por salário mínimo digno

Movimento é reação a anúncio do atual governo, que já declarou que não irá reajustar as aposentadorias e pensões


Centrais sindicais realizam, nesta sexta-feira (28), ato em defesa dos aposentados e pensionistas. Miguel Torres, presidente da Força Sindical alertou que o atual governo já declarou que não irá reajustar as aposentadorias e pensões, considerando a reposição das perdas inflacionárias e aumento real. “O salário mínimo já não é capaz de comprar uma cesta básica e não tem aumento real há quatro anos”, critica o presidente da Força Sindical, Miguel Torres.


O Sindnapi - Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical, realizou um estudo que aponta um grande impacto negativo de uma medida insensata de não reajustar o piso. De acordo com o estudo 56 milhões de brasileiros e suas famílias, que têm seus rendimentos atrelados ao salário mínimo, seriam afetados por esta medida. São 24,1 milhões de aposentados e pensionistas do INSS; 19,5 milhões de empregados no setor privado e 12,3 milhões de trabalhadores.


Sindicalistas vão às ruas em defesa dos aposentados e por salário mínimo digno

O presidente do Sindnapi, joão Batista Inoncentini ressalta que falta de aumento real do mínimo vai prejudicar ainda mais aposentados e pensionistas, que já ganham pouco. "O povo precisa de salário mínimo digno e reajuste para os aposentados".


Centenas de pessoas participaram da manifestação que seguiu em passeata da Rua Galvão Bueno, 782, Liberdade (Sede do Sindicato dos Metalúrgicos de SP) até a sede nacional do Sindicato dos Aposentados, Pensionistas e Idosos, à rua do Carmo, 171, Centro Histórico de São Paulo.


Diversas lideranças sindicais participaram do ato e o presidente do Solidariedade e deputado federal, Paulinho da Força, também participou.


As informações são da Força Sindical.

bottom of page